Dianatal Obstetric gel explanation for healthcare professionals

Sobre o gel obstétrico Dianatal®

Dianatal® é um gel obstétrico estéril que possui propriedades biofísicas únicas para facilitar o processo do parto vaginal. O gel aplica uma película mucoadesiva no canal vaginal. Desta forma, reduz a fricção causada pelo bebé na vagina, permitindo que o bebé deslize mais facilmente. Este procedimento foi descoberto em 2002 pelo obstetra Dr. Schaub em Zurique, Suíça. Os estudos preliminares no Instituto Federal de Tecnologia da Suíça (Swiss Federal Technology Institute) indicavam que a utilização do gel obstétrico especificamente desenvolvido reduzia em mais de 50% vários níveis de fricção. Os resultados de ensaios clínicos posteriores em diversas clínicas obstétricas demonstram que a duração do parto pode ser significativamente reduzida.

O gel obstétrico Dianatal® não contém quaisquer substâncias farmacêuticas ativas. O gel obstétrico Dianatal® é um gel estéril num tubo estéril de utilização única, acondicionado em saco estéril de utilização única. O gel obstétrico Dianatal® é um gel inodoro e quase incolor. Dianatal® é altamente viscoso, tem um pH ligeiramente ácido e é eletrocondutor.

Dianatal® é:

  • Estéril, acondicionado em tubo estéril de utilização única
  • Inodoro, quase incolor e altamente viscoso
  • Bioadesivo
  • Eletrocondutor (condutividade superior a 5 mS. cm-1)
  • Ligeiramente ácido (pH de 5,5-6,5)
  • Isento de látex, ftalatos e conservantes
  • Não pirogénico
  • Não alergénico
  • Não irritante para as membranas mucosas e os olhos

Composição de Dianatal®:

  • Propilenoglicol
  • Natrosol 250M
  • Carbopol 974P NF
  • Cloreto de sódio
  • Hidróxido de sódio
  • Água purificada

O gel obstétrico Dianatal® tem apenas efeitos físicos. Não contém quaisquer substâncias farmacêuticas ativas nem é absorvido pelo organismo. Foram realizados testes extensivos para avaliar a tolerância e segurança da mãe e do bebé (tecido vaginal, pelo, olhos, nariz e garganta). A principal substância biofísica ativa é Carbopol 974 NF

O processo do parto divide-se em duas etapas. O colo uterino dilata durante a primeira etapa, a fase de dilatação. Quando o colo está totalmente dilatado (10 cm), inicia-se a fase expulsiva (a segunda etapa). Durante a fase expulsiva, é possível que ocorra a laceração espontânea do tecido vaginal ou do períneo. Isto acontece em cerca de 45% dos partos. No entanto, nem sempre é possível evitar a laceração, mesmo fazendo episiotomia. Há fortes evidências na literatura de que a incidência de lacerações perineais foi significativamente menor com a utilização do gel obstétrico Dianatal®.

O gel obstétrico Dianatal® é aplicado após cada exame vaginal durante todo o processo de parto após o início das contrações regulares, começando, idealmente, quando já existem 3-4 cm de dilatação do colo do útero (fase ativa). O gel obstétrico Dianatal® deve ser utilizado durante todo o parto. São aplicados cerca de 3-5 ml de gel obstétrico Dianatal® por aplicação com o tubo ou manualmente na apresentação fetal. A aplicação do gel obstétrico Dianatal® é efetuada consecutivamente com intervalos de 1 a 2 horas para garantir uma película lubrificante ótima no canal vaginal, de modo a tornar o parto mais seguro e fácil para a mãe e o bebé. Idealmente, a aplicação deve ser efetuada imediatamente após o exame vaginal. No caso de secura vaginal, deve adicionar-se cerca de 2 ml de líquido após a aplicação do gel. Deve aplicar-se uma quantidade adicional de gel 15-30 minutos após a rutura do saco amniótico. Dianatal® pode ser aplicado manualmente ou inserindo o tubo na vagina. Para evitar que o bebé escorregue, utilize uma toalha seca.

Em mulheres nulíparas, o gel obstétrico Dianatal® demonstrou encurtar a duração da fase expulsiva em 30% (26 minutos), assim como a duração total do parto em 30% (106 minutos). (2, 3) Dianatal® também auxilia e facilita os partos nos quais é necessário utilizar ventosa ou fórceps.

Desta forma, Dianatal® torna o parto mais seguro, mais rápido e menos doloroso. Protege o bebé e a vagina, o pavimento pélvico e o períneo.

Desta forma, Dianatal® torna o parto mais seguro, mais rápido e menos doloroso.
Protege o bebé e a vagina, o pavimento pélvico e o períneo.


Gel obstétrico Dianatal® principais benefícios:
diminui o trauma, a duração e a dor


  • Desenvolvido para facilitar o parto, tanto para a mãe como para o bebé
  • Segurança e tolerabilidade da mãe e do bebé clinicamente comprovadas (resultados de ECA)
  • Reduz a duração da 2.ª etapa do parto (resultados de ECA)
  • Reduz a incidência de lesões perineais e protege a vagina (resultados de ECA)

Dianatal


O parto hoje em dia: a experiência nos Países Baixos

  • Nos Países Baixos, a média de idades das mulheres quando têm o primeiro filho é relativamente elevada: 29,4 anos de idade.
  • Cerca de 30% dos partos são realizados em casa.
  • Em 2005, 51% das mulheres nulíparas e 17% das mulheres multíparas que escolheram dar à luz em casa foram hospitalizadas durante o parto.
  • Alguns dos motivos incluíam a não evolução da dilatação ou expulsão e exaustão da mãe.
  • Nos Países Baixos, 23% das mulheres primíparas têm memórias negativas da experiência do parto três anos após o nascimento
  • Em comparação com as mulheres que tiveram um parto espontâneo, 42% das mulheres submetidas a operações obstétricas durante o parto e 47% das mulheres submetidas a cesariana não eletiva, recordam a experiência do parto com insatisfação.
  • As ruturas e/ou episiotomias, em particular no caso de mulheres nulíparas, estão associadas ao risco de disfunção sexual, dor no períneo ou incontinência após o parto. Além disso, dados recentes indicam que uma episiotomia acarreta um risco significativamente maior de rutura de segundo grau ou pior em partos posteriores.
  • A duração da fase expulsiva, a baixa paridade e a realização de operações obstétricas durante o parto são fatores de risco independentes de uma maior possibilidade de rutura vaginal e perineal.


Indicações e utilização do gel obstétrico Dianatal®

Dianatal® foi desenvolvido especificamente para facilitar o parto vaginal. É altamente bioadesivo e tem uma elevada capacidade de retenção de água. O gel obstétrico Dianatal® é utilizado durante o parto vaginal para o tornar mais rápido e fácil, tanto para a mãe como para o bebé, e para proteger o pavimento pélvico e o períneo.

Método de aplicação: Destina-se apenas à aplicação local no canal vaginal.

Dado que o gel obstétrico Dianatal® conduz eletricidade, é possível efetuar diatermia para garantir hemostasia a qualquer momento após a utilização do gel - por exemplo, numa cesariana ou numa revisão do canal vaginal. De forma a assegurar a condutividade, utilize apenas Dianatal® para facilitar o parto.

Efeitos secundários: Não foram comunicados quaisquer efeitos secundários até a data.

Contraindicações: O gel obstétrico Dianatal® não pode ser utilizado se:

  • houver a possibilidade de reação alérgica a qualquer uma das substâncias
  • o parto vaginal estiver contraindicado

Referências:

  1. Riener R, Leypold K, Brunschweiler A, Schaub A, Bleul U, Wolf P. Quantification of friction force reduction induced by obstetric gels. Medical & biological engineering & computing. 2009;47(6):61723.
  2. Seval MM, Yuce T, Yakistiran B, Sukur YE, Ozmen B, Atabekoglu C, et al. Effects of obstetric gel on the process and duration of labour in pregnant women: Randomised controlled trial. Journal of obstetrics and gynecology : the journal of the Institute of Obstetrics and Gynaecology. 2017;37(6):714-8.
  3. Schaub AF, Litschgi M, Hoesli I, Holzgreve W, Bleul U, Geissbuhler V. Obstetric gel shortens second stage of labor and prevents perineal trauma in nulliparous women: a randomized controlled trial on labor facilitation. Journal of perinatal medicine. 2008;36(2):129-35.
  4. Bäurle G BS, Hornstein OP, Nürnberg E, Muckenschnabel R. The suitability of propylene glycol (1,2-propanediol) as an active antimicrobial adjuvant in ointments. Z Hautkr. 1985;60(15):1198213.
  5. Kinnunen T, Koskela M. Antibacterial and antifungal properties of propylene glycol, hexylene glycol, and 1,3-butylene glycol in vitro. Acta Derm Venereol. 1991;71(2):148-50.